O Grupo Rasgacêro, neste segundo semestre de 2021, dá sequência aos trabalhos de produção e inova com intervenções virtuais itinerantes. A ideia é movimentar a cadeia  produtiva das artes, investindo em artistas, produtores e novas apresentações. Por ora, toda exibição do material ocorre de forma híbrida.

No final do mês de julho o grupo esteve no Teatro Benigno Gaiga, na Urca, gravando diferentes esquetes e novas apresentações que, até o final do ano, serão exibidas em diferentes espaços da cidade, resguardando o distanciamento e os protocolos por causa da pandemia da covid-19. Além disso, o grupo prepara a continuidade do projeto “Um Boi Bem + Brasileiro”, com novidades e oportunidades para fazedores de artes da cena local.

“É o Rasgacêro se reinventando nestes tempos tão sombrios. É a arte salvando e fazendo a gente respirar”, declara o responsável pelo grupo, Ricardo Malabi.

Outra novidade são as apresentações públicas do filme “Um Boi Bem + Brasileiro”, gravado em 2020, também no teatro da Urca, com a presença de grande elenco e com a direção de Rodrigo Robleño, que uniu as linguagens do teatro e do cinema em um único projeto, já disponível nas plataformas digitais do grupo. “Estamos nos preparando com muito entusiasmo para a circulação deste conteúdo virtual, que exibirá trabalhos de resgate e preservação das culturas de Bois do nosso país”, acrescenta Malabi.

As datas e locais para exibições ainda não foram definidas e dependem da aprovação do Comitê Covid-19 em Poços de Caldas. O projeto é realizado através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, com patrocínio do grupo DME e tem a produção da Mixiricar-te Cultural, com realização do Governo de Minas Gerais.

Publicidade

Quer receber as notícias do Poços Já direto no WhatsApp?

Clique aqui e entre em um de nossos grupos.