O Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou neste mês a inclusão do breaking nas Olimpíadas, a partir dos jogos de Paris, em 2024. A notícia é boa para o grupo poços-caldense Original Crew, habituado a partipar de grandes competições, sempre com destaque.

Grupo ocupa espaço da Fonte do Leãozinho (fotos: divulgação)

“Nos trará uma visibilidade maior e consequentemente mais valorização para essa cultura linda que sempre esteve salvando e transformando vidas. Aqui em Poços de Caldas temos muitos talentos com potencial de representar o Brasil em 2024, e ainda temos muito potencial também para formar novos b-boys e b-girls para as próximas edições”, comenta Matheus Gal, b-boy do grupo.

Desde sua criação, o Orignal Crew acumula premiações, se destacando em competições nacionais e internacionais, tais como: “Se Ela Dança Eu Danço”, do SBT; “El boske City Battle” em 2014, na cidade de Santiago, no Chile; e “Tolouse Battle pro World Final” em Toulouse, na França. Segundo o grupo, todas as intervenções nos festivais, fora ou dentro da cidade, são marcadas pelas referências do hip hop e, sobretudo, trazem para o centro do palco narrativas historicamente marginalizadas.

O Original Crew está prestes a completar 14 anos de existência e tem como referência em suas pesquisas as danças urbanas e a ocupação artística da cidade. Fundado em 2007 pelos b-boys Ivan Soares, Rodrigo Teixeira, Adriano Gal e Anderson Veronese, desde então ocupa a praça da Fonte do Leãozinho com treinamentos semanais e se tornou uma escola de breaking para jovens locais.

Original Crew participou de campeonato na França

A partir da ocupação do espaço público e da pesquisa continuada em dança o grupo formou muito novos bailarinos, entre eles os artistas que hoje compõem o Original Crew: Felipe Egidio, Matheus Gal, Altieris Braido, Guilherme Bassoto, Gustavo de Freitas, Pablo Eduardo, Danilo Silva, Bruno Henrique, Andre Valin, Samuel Damazio, Gabriel Cunha, Gabriel Shultz e Leonardo Ribeiro.

O grupo historicamente reivindica o usufruto da cidade e suas liberdades e continua a desenvolver suas experimentações dentro do movimento Hip Hop, que mesmo à parte das políticas públicas culturais produz arte e cultura com excelência: forma crianças e adolescentes nos bairros não centrais, além de ocupar e ressignificar espaços públicos ociosos.

Hoje à frente do Original Crew, a nova geração de produtores culturais e bailarinos busca honrar e dar continuidade ao projeto iniciado em 2007, e cada vez mais se alinha às novas demandas do setor cultural em Poços de Caldas e do país. Para o próximo ano, o objetivo é ocupar também os editais públicos de incentivo à cultura, fazendo com que o aporte financeiro potencialize as ações do grupo.

Publicidade

Quer receber as notícias do Poços Já direto no WhatsApp?

Clique aqui e entre em um de nossos grupos.