O fotógrafo e jornalista Léo Felipe, morador de Poços de Caldas, criou um projeto inusitado e necessário, o “Toda Alma é Raiz”. Ele fotografa pessoas pretas, com o objetivo de desconstruir o passado de invisibilidade.

O projeto nasceu há dois meses e até agora conta com 21 imagens. São fotografias do cotidiano, que podem significar uma mudança para os mais velhos, que muitas vezes não têm a oportunidade de realizar registros fotográficos.

O nome do projeto é uma associação do fotógrafo com a própria ancestralidade. “Eu sempre sinto isso quando estou fotografando as pessoas, como se eu pudesse ver a alma delas através das lentes e também suas raízes e ancestralidade”, explica.

“O projeto vai da dona Nina ao seu Antônio Carlos. São todos moradores do bairro São José. Toda Alma é Raiz começou lá, mas quero levar para outros lugares. Essas pessoas são mais importantes que o próprio projeto. Sem elas eu não teria nada. São pessoas que não estão acostumadas a serem fotografadas e quase sempre, quando abordadas, elas me questionam ‘Por que eu?’ e a resposta é ‘Você também importa’ ”, acrescenta o fotógrafo.

Ele conta que a resposta traz largos sorrisos, de pessoas que muitas vezes passaram a vida sem se sentirem notadas. Em seguida vem a vaidade e o medo de não estarem arrumadas o suficiente para serem clicadas. “Mas é isso que eu quero, fotografar a simplicidade”, acrescenta.

Léo Felipe tem ganhado visibilidade nacional com o projeto, mas suas raízes e sua ligação com Poços são fortes. Nascido em Mogi Guaçu (SP), se mudou para a cidade ainda aos 11 anos. Hoje com 25, ele acredita que pode fazer mais. “Claro que quero levar o ‘Toda Alma é Raiz’ para grandes galerias e exposições. Porém, por enquanto está no meu Instagram: @todaalmaeraiz”, finaliza.

Publicidade

Quer receber as notícias do Poços Já direto no WhatsApp?

Clique aqui e entre em um de nossos grupos.