As audiências de instrução e julgamento do processo que apura o tráfico de drogas sintéticas em meio universitário, por meio da Operação Kabbalah, realizada pela Polícia Civil, foram concluídas na madrugada de quarta-feira (5). Para adiantar os trabalhos, a defesa dispensou algumas das testemunhas. Ainda assim foram mais de 30 horas de audiências.

O início foi na manhã de segunda-feira (3) e se estendeu até as 2h15 da madrugada de terça-feira (4), com retomada ao meio-dia e encerramento às 3h de quarta-feira. Neste período o juiz colaborador José Eduardo Junqueira ouviu principalmente testemunhas e réus para que pudesse somar esses depoimentos às provas constantes nos autos e decidir ou não pela condenação individual de cada um dos réus.

Alguns momentos foram mais delicados, em especial quando advogados de defesa fizeram questionamentos a testemunhas de acusação e policiais, sobre pontos da investigação e da obtenção de provas.

Ao fim da sessão, foi concedido às defesas um prazo de 48 horas para que se apresentem requerimentos. Em seguida, o juiz irá abrir prazo para as alegações finais da acusação e o mesmo para a defesa. Ao fim dos prazos o juiz irá analisar a documentação que tem em mãos e decidir pela condenação ou não de cada um dos réus.

A sentença do processo pode demorar mais de dois meses.