O Poços Já procurou o médico oftalmologista Carlos Aterje para saber mais sobre as cirurgias que corrigem erros de refração. Ele explica que há restrições, mas geralmente os procedimentos são eficientes para problemas como astigmatismo, miopia e hipermetropia.

Antes de continuar, é importante lembrar que as cirurgias não são recomendadas para crianças e adolescentes. Isso ocorre devido à necessidade de estabilização do grau, o que acontece quando os pacientes chegam próximos dos 21 anos.

Dr. Carlos Aterje esclarece motivo de crianças e adolescentes não poderem fazer cirurgias para corrigir erros de refração (foto: Juliano Borges/Poços Já)
Publicidade

A contraindicação é para pessoas com ceratocone, que têm a córnea projetada para fora, em forma de cone. “Esse procedimento é feito na córnea, uma lente de mais ou menos 50 graus que temos no olho. Nos casos de ceratocone, ela é muito fina. Se fizer cirurgia, o ceratocone fica grave e pode ser necessário transplante”, explica Aterje.

Para casos de hipermetropia e astigmatismo, a cirurgia a laser pode melhorar a visão em em até seis graus. Os míopes podem ter resultados ainda melhores, com diminuição de até dez graus.

Porém, os casos mais acentuados, acima de dez graus, também têm solução. “Para quem tem muito graus, como 12, 14, 15, existe cirurgia de implante de lente. É como cirurgia de catarata, com a substituição do cristalino por uma lente intraocular”, informa o oftalmologista.


Quer receber as notícias do Poços Já direto no WhatsApp?

Clique aqui e entre em um de nossos grupos.