- Publicidade -
18.9 C
Poços de Caldas

- Publicidade -

CASO AGATHA | Polícia Civil conclui inquérito e destaca crueldade na execução do crime

- Publicidade -

A Polícia Civil de Poços de Caldas concluiu o inquérito que apurou a morte da adolescente Agatha Nalim Soares de Brito, de apenas 13 anos. Ela foi morta por Ubirajara Aparecido Machado Silva Moura, de 61, que confessou o crime em carta deixada próxima ao corpo. O idoso, que continua foragido, foi indiciado por homicídio triplamente qualificado, com motivo fútil, meio cruel e feminicídio, além de estupro de vulnerável.

Em entrevista coletiva realizada na manhã desta segunda-feira (9), o delegado Hernanni Perez Vaz explicou que Ubirajara fugiu logo após ter matado a menina. Ele foi visto entrando em um ônibus com destino a São Paulo (SP), de onde é natural, logo após cometer o crime, dia 31 de janeiro (sexta-feira).

- Publicidade -
Agatha foi morta por esgorjamento

Crueldade e premeditação

O delegado destacou a crueldade do assassino na execução do crime. Além de golpear o maxilar da vítima com um pedaço de madeira, ele também fez um corte no pescoço de Agatha. “O que mais chamou atenção foi a crueldade da forma com que ele aplicou o golpe na região do pescoço, que foi realmente a causa mortis, uma lesão por esgorjamento, que é uma secção de orelha a orelha. Foram demonstradas oito outras lesões indicando que ele tenha praticado o crime com o serrilhamento da região do pescoço da adolescente, demonstrando total crueldade”.

Na carta deixada por Ubirajara, segundo a Polícia Civil, é confirmada a versão de crime passional. Ele teria ficado com ciúmes após a menina iniciar um namoro. O laudo médico ainda identificou lesões que indicam a prática sexual, mas com o consentimento da vítima. Devido à idade de Agatha, trata-se de estupro de vulnerável, como explicou o delegado.

Hernanni ainda afirmou que os pais dela não tinham qualquer intenção de agenciá-la sexualmente. “Nada foi constatado sobre o real agenciamento dessa criança. A família está em situação de vulnerabilidade social, mas não houve nenhuma comprovação de que a menor fosse explorada sexualmente pelos pais”.

A carta é assinada com data na véspera do assassinato. Além disso, Ubirajara teria tentado vender objetos pessoais durante a semana, com o objetivo de arrecadar dinheiro para a fuga. Ele era dono de uma tapeçaria no bairro Jardim Contorno e, segundo os pais de Agatha, a menina ajudava Ubirajara em algumas tarefas.

O post CASO AGATHA | Polícia Civil conclui inquérito e destaca crueldade na execução do crime apareceu primeiro em Poços Já Cidade.

Laboratório Prognose - Publicidade -
Laboratório Prognose - Publicidade -
Laboratório Prognose - Publicidade -
Laboratório Prognose - Publicidade -

Clique aqui para receber as notícias do Poços Já no WhatsApp.


Nafar - Publicidade -
Nafar - Publicidade -
Nafar - Publicidade -
Nafar - Publicidade -
Veja também
- Publicidade -












Mais do Poços Já
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Don`t copy text!