O Instituto de Assistência dos Servidores Públicos de Poços de Caldas (IASM) tem mais de R$13 milhões a receber da Prefeitura. Fazem parte da dívida, corrigida monetariamente e com juros, valores desde a gestão Paulinho Courominas (2009/2012)

O problema voltou a ser assunto na última reunião da Câmara. O vereador Gustavo Bonafé (PSDB) fez um pedido de informações sobre o caso ao Executivo. “É o segundo requerimento nesse sentido que eu já estou fazendo, a partir da resposta do primeiro, que foi apresentado todo levantamento detalhado de como essa dívida foi construída. Agora, eu pretendo entender como está a atual situação dessa dívida, como estão os repasses deste ano, desta nova administração, quais foram os impactos nos servidores. Se foram tirados benefícios, se foram diminuídos benefícios e qual é o planejamento para retomada dessas ações junto ao servidor público municipal”, explicou.

O primeiro requerimento de Bonafé sobre o caso foi feito em fevereiro deste ano, pouco depois que o prefeito, Sérgio Azevedo (PSDB), esteve na Câmara Municipal para informar a situação financeira do município. No documento, que foi enviado para a Secretaria de Governo, o parlamentar anexou um comunicado oficial divulgado pelo IASM, no qual consta que na gestão 2009/2012 (Paulinho Courominas) a instituição deixou de receber mais de R$ 2 milhões e na administração de 2013/2016 (Eloísio do Carmo Lourenço) um valor superior a R$ 8,6 milhões também não foi repassado.

Como prevenção, o IASM havia restringido alguns benefícios dos servidores em quase 30%, o que não foi suficiente. Em dezembro do ano passado, o instituto declarou que estava com as reservas financeiras zeradas.

Resposta

A resposta da administração sobre o primeiro requerimento do vereador chegou no dia 1º de março. O prefeito afirma que “não mediremos esforços para que os repasses sejam mantidos em dia e avaliaremos, em conjunto com o Conselho Diretor do IASM, formas de equacionar a dívida existente, haja vista que, infelizmente, dadas as condições financeiras da Prefeitura, conforme já demonstrado a essa Casa, não temos condições de quitar a dívida no momento”.

Ainda conforme o relatório, os valores referentes a dezembro de 2016 haviam sido pagos. Em janeiro deste ano foi repassado um valor superior a R$ 1 milhão, mas ainda faltavam cerca de R$ 337,2 mil, que seriam quitados posteriormente.

Consta ainda um ofício enviado pelo secretário de Fazenda, Alexandre Lino Pereira, que confirma que as dívidas do IASM com as empresas Unimed, Climepe e clínicas odontológicas no mês de fevereiro de 2017 eram superiores a R$ 3,4 milhões.

IASM

Poços Já entrou em contato com o Presidente do IASM, Jaílton Bernardes. Ele informou o valor atual da dívida e disse que, apesar das promessas, os valores das administrações passadas ainda não foram quitados. “O que houve até agora foram conversas informais. O prefeito mostrou que gostaria de parcelar as dívidas e fazer o pagamento, mas nada concreto, por enquanto”, afirma.

Bernardes ainda contou que, até o momento, os valores referentes a 2017 foram repassados integralmente. O IASM foi fundado em 1948 e oferece atendimento de saúde a cerca de 9 mil pessoas, entre servidores municipais e dependentes. Os convênios com planos de saúde oferecem a possibilidade aos filiados de marcar exames e consultas.