Publicidade
Marina Silva ministrou palestra sobre sustentabilidade e ativismo autoral
Marina Silva ministrou palestra sobre sustentabilidade e ativismo autoral

A ex-senadora Marina Silva esteve em Poços de Caldas na noite desta quinta-feira, 23. Ela participou do Congresso Nacional de Meio Ambiente, onde ministrou uma palestra sobre sustentabilidade e ativismo autoral. Antes de começar a participação no evento, Marina concedeu uma entrevista coletiva. Ela fez um panorama da questão ambiental no Brasil, explicou o conceito de ativismo autoral, criticou a mineração no sul de Minas e falou sobre a importância da educação ambiental. Leia os principais trechos:

Brasil

Marina Silva: O brasil tem um potencial muito grande para fazer a mudança de modelo de desenvolvimento. Sair do modelo insustentável, que é a característica de todas as economias do mundo, para um modelo sustentável. Mas infelizmente isso não tem sido priorizado como parte da nossa agenda de desenvolvimento. A maior parte das ações é feita no velho diapasão do final do século XIX e do século XX, que nos leva a uma economia de alto carbono, com uma pressão muito grande sobre recursos naturais, recursos hídricos e biodiversidade. E com um peso muito grande na destruição das florestas, como vemos agora, com a mudança que aconteceu no Código Florestal Brasileiro.

Para iniciar uma nova maneira de caminhar, o Brasil vai ter que fazer investimentos a médio e longo prazo, para sermos um país da energia limpa e segura. Nós temos um potencial enorme para energia solar, energia eólica, de biomassa. Na realidade do Brasil, não é conveniente a energia nuclear. Ela é cara e não é segura. Não se sabe o que fazer com os resíduos e se coloca em ameaça a vida da população que fica próxima a esses depósitos.

Sustentabilidade 

Marina Silva: Eu falo muito da ideia de sustentabilidade nas suas diferentes dimensões: econômica, social, ambiental, cultural. E reforço a ideia de que desenvolvimento sustentável não é apenas uma maneira de fazer. É uma maneira de ser, uma visão de vida, um ideal de mundo. A sustentabilidade requer uma ação de todos, não apenas de um grupo, de um partido, de uma pessoa. É um esforço que deve ser de todos ao mesmo tempo: governos, empresas, cidadãos de um modo geral.

Ativismo autoral

Marina Silva: Ativismo autoral é uma ideia que eu espero que vai mudar a política nesse início de século. Porque nós somos herdeiros do ativismo dirigido pelos partidos, pelos sindicatos, pelas corporações, pela academia, pelas lideranças carismáticas. E com o surgimento da internet há lugar para esse ativismo exercido pelas pessoas, onde são autores e mobilizadores das suas próprias causas. O ativista autoral tem essa característica de não ter, nem à frente nem atrás, alguém lhe dirigindo. Ele é o autor e o mobilizador da sua própria ação.

Sul de Minas

A ex-senadora disse que recebe relatórios sobre mineração no sul de Minas Gerais
A ex-senadora disse que recebe relatórios sobre mineração no sul de Minas Gerais

Marina Silva: Eu sempre estou recebendo denúncias e relatórios em relação à questão da mineração. E há uma queixa muito grande em relação ao que isso produz de danos ambientais, que são democratizados para todas as pessoas, enquanto os lucros são privatizados para poucos. E o estado se beneficia muito pouco do ICMS ou do que quer que seja. Porque, como diz  José Fernando (ex-deputado federal pelo PV), são royalties miseráveis e com isenção fiscal para essas atividades.

E como a mineração é uma safra que só dá uma vez, ela precisa ser trabalhada com critérios de sustentabilidade, mas rendendo o máximo de benefícios aonde for possível por essa exploração, para o conjunto da população. E sem prejuízo de preservar os recursos de milhares de anos pelo lucro de apenas algumas décadas.

Educação ambiental

Marina Silva: Nós temos uma lei de diretrizes e bases da educação que estabeleceu a educação ambiental como obrigatória em todos os níveis do processo de ensino-aprendizagem, e que seja um conteúdo transversal. Essas novas gerações vão poder insistir na ideia de que educação é o que há de mais importante para viabilizar esse novo modelo. É a educação que gera novas oportunidades, igualdade de oportunidades, a busca de novas ocupações, novos produtos, novos materiais. E a educação ambiental como conteúdo transversal pode alavancar uma série de percepções que geralmente a gente não tinha na educação no passado.

Laboratório Prognose
Publicidade
Laboratório Prognose
Publicidade
Laboratório Prognose
Publicidade
Laboratório Prognose
Publicidade

Quer receber as notícias do Poços Já direto no WhatsApp?

Clique aqui e entre em um de nossos grupos.


Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade