Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Relevo único das montanhas de Poços são o cenário ideal para mais uma etapa do Desafio das Montanhas Vulcânicas

Vão até domingo (15), as inscrições da Etapa Lava do Desafio das Montanhas Vulcânicas, prova que acontece no próximo dia 29, nas distâncias de 10, 22 e 42km, e explora as dificuldades do relevo ímpar da cidade de Poços de Caldas/MG.

A grande novidade da etapa Etapa Lava é justamente o fato de ser o primeiro percurso de maratona da história da prova, um desafio inimaginável, com largada do Cepa, na Zona Leste e chegada na Fazenda Irarema, na Zona Oeste da cidade. Com certeza uma das maratonas mais difíceis do Brasil, pela altimetria e pela sua variação de desafio dentro do percurso.  

“A nossa idéia, como em todas as etapas dos Desafios, é fazer uma prova extremamente técnica. Exigindo muita habilidade, aptidão física e mental do atleta, mas muito segura. Nos 42km o atleta enfrentará muitas subidas e descidas, o ganho e perda de elevação será muito acentuado, o que vai requerer muita força, agilidade e concentração. Há trechos com pedras,  algumas estradas de terra, mas a grande parte será em single tracks com trilhas estreitas dentro da mata, sempre subindo e descendo. Os atletas não terão descanso nenhum momento. Trata-se de percurso lindo, mas que exige demais”, explica o professor Fernando Nascimento, diretor técnico da prova.

Relevo e solo exigirão muita técnia dos participantes (foto: Jubinsk)

“O que estamos tentando orientar aos atletas que vão fazer os 42km é que eles não forcem demais na descida achando que vão ganhar tempo. Quanto mais eles forçarem na descida, mais dificuldades terão na subida e na próxima descida estarão mais debilitados. A largada, no Cepa, já será muito forte, a  inclinação é muito acentuada, dando idéia ao atleta de como será o percurso pela frente. Sempre na próxima montanha ele estará com menos energia, porque será continuadamente exigido, portanto terá que ficar sempre atento, gerenciando seus recursos. Mesmo na chegada, na Fazenda Irarema, o percurso será bem difícil, por isso a importância chegar bem no final da prova”, comenta Fernando.

O empreendedor Gustavo Bonafé, um dos organizadores do Desafio das Montanhas Vulcânicas, lembra que apesar das dificuldades extremas da prova de 42km, a Etapa Lava é um desafio para todos os níveis de atletas.   

“Temos os 10km, que é indicado para quem quer fazer a transição do asfalto para a natureza e também para pessoas que estão se preparando para outras provas que vão acontecer próximas ao dia 29 de março. Os 10 km contam com  uma altimetria boa, com bastante subida, bastante descida, pegando um maior trecho de estrada de terra, mas também dando um gostinho das trilhas para os atletas. Os 22 quilômetros já têm um percurso muito desafiador, saindo da Fazenda Cachoeirinha, chegando na Fazenda Irarema, mesclando bastante os tipos de solo, trazendo um desafio legal para quem já está acostumado a correr na natureza”, afirma Gustavo Bonafé. 

A equipe de orfganização dos Desafios: Fernando Nascimento (Diretor Técnico), Cochise Libânio (Administrativo e Financeiro), Paulo Roberto Zanatta (Desenvolvimento dos Percursos e Licenças), Gustavo Bonafé (Comunicação e Relacionamento com Atletas) e Roberto Marcondes (Comercial e Parcerias).

Confira os detalhes de cada percurso:

10km (Largada: Fazenda Irarema)

COTAS Mínima / Máxima: 1.120 m / 1.391 m
GANHO / PERDA de elevação: 580m / 580 m
INCLINAÇÃO MÁXIMA Ascendente / Descendente: 32,2 % / 26,6 %

22km (Largada: na estrada vicinal em área rural na fazenda Cachoeirinha)

COTAS Mínima / Máxima: 919 m / 1.497 m
GANHO / PERDA de elevação: 1.172 m / 1027 m
INCLINAÇÃO MÁXIMA Ascendente / Descendente: 32,1 % / 26,8 %

42km (Largada: CEPA – Parque Ambiental da Alcoa)

COTAS Mínima / Máxima: 919 m / 1.631 m
GANHO / PERDA de elevação: 2.091 m / 2.300 m
INCLINAÇÃO MÁXIMA Ascendente / Descendente: 31,8 % / 33,6 %

Patrocínio

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA