Patrocínio
O presidente da Caldense, Antônio Bento Gonçalves (Foto: Rafael Santos)

A derrota para o Boa Vista/RJ na última rodada da primeira fase da Série D, decretou o fim da temporada da Caldense em 2017 e, com isso, a dúvida de qual será o futuro do futebol profissional da Veterana. Após um ano conturbado, nem o nomes do gerente de Futebol e do treinador estão confirmados. O presidente da Caldense, Antônio Bento Gonçalves, revelou ao Poços Já que a certeza para 2018 é que cinco jogadores do atual elenco permanecem.

Tiveram seus contratos renovados: o zagueiro Marcelinho, o lateral direito Jefferson Feijão, o lateral esquerdo Cesinha, o zagueiro Lazarine e o volante Mineiro. Enquanto outros jogadores importantes do elenco foram liberados, como o atacante Luiz Eduardo, que acertou com o Remo/PA; o também atacante, Wellington Rato, que foi para o Sampaio Correia/MA; e o meia Alê, que foi para o Cuiabá/MT, todos para a disputa da Série C do Brasileiro.

Zagueiro Marcelinho é um dos que permanecem no time para o Campeonato Mineiro do ano que vem (foto: Rafael Santos/Poços Já)
Patrocínio

Além destes cinco jogadores, o presidente da Veterana, Antônio Bento Gonçalves, não confirma mais nada sobre o futuro do clube. Nem mesmo se o treinador Zezito, que assumiu o time faltando duas rodadas para acabar a Série D, nem o gerente de Futebol, Morais, que assumiu após a demissão de Alex Joaquim, têm a permanência confirmada.  

“Nós dispensamos muitos jogadores, quase todos. Ficaram Marcelinho, Feijão, Cesinha, Lazarine e Mineiro. Os outros nós fizemos o acerto, porque havia o compromisso deles jogarem até o Campeonato Mineiro e nós achamos por bem, para eles também, encerrar o contrato. Inclusive na parte técnica, algumas pessoas saíram e outras ficaram.Nós vamos ter uma reunião durante esse mês de julho,  com a  Diretoria, com a área de Futebol e com o Conselho, para vermos o que nós vamos fazer. Vamos tentar fazer o melhor possível, como sempre fizemos.  Por enquanto Zezito e Moraes continuam, mas ainda vai depender do que vamos decidir em comum acordo com todos”, explicou o presidente da Caldense.

Seo Toninho, como também é conhecido, falou ainda sobre o ano conturbado no clube. Ele não crava a saída de Alex Joaquim como o fator fundamental para a campanha ruim do time na Série D.

O atacante Luiz Eduardo teve seu contrato reincidido e acertou com o Remo/PA, para a disputa da Série C (Foto: Rafael Santos/Poços Já)

“O futebol não é uma ciência exata, porque se fosse exata, aquele que tem os melhores jogadores, que paga melhor, é o que vai ter sucesso. Não é assim. Tanto é que tivemos exemplos na Série D, inclusive na nossa chave, onde todos diziam que os dois melhores eram Red Bull e Caldense. O que aconteceu? Os dois foram eliminados. Tentamos de todas as formas. Houve problemas? Houve sim. Não tenha dúvida. Houve a saída do Alex, houve a saída do Maradona. Ninguém sabe se a saída do Alex influenciou. O que aconteceu é que os jogadores não renderam o que estavam acostumado a render. Quando mudou o técnico, nós tivemos uma esperança muito grande, porque os jogadores jogaram muito bem e nós ganhamos a partida contra o Red Bull aqui. Ficamos na expectativa de ganhar do Boa Vista na última rodada, mas, infelizmente não ganhamos”, lamenta.

Patrocínio

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA