Publicidade

Os participantes do AnimatériA começaram a enviar fotos e vídeos de seus trabalhos para os organizadores do projeto de cinema de animação. Cada um, na sua casa, recebeu um kit cultural e artístico que permite criar brinquedos ópticos, ou seja, engenhocas que ajudam a entender como funciona a animação e como é possível fazer filmes do gênero.

Participantes receberam kits culturais em casa (fotos: Kaique Caliari)

O Animatéria é realizado pelos animadores e artistas plásticos da Oficina da Terra art studio, Rosana Lovato, Anderson Almeida e Kaique Caliari, através da Lei Municipal de Incentivo à Cultura, com o patrocínio da Climepe Total. Os kits foram distribuídos na última semana para 20 alunos da Escola Municipal José Mamud Assan, a escolha da direção, levando em conta a distância entre a moradia de cada um, para que os monitores do projeto não tivessem a necessidade de percorrer grandes distâncias e permanecer muito tempo da rua.

Casarão

Publicidade
Casarão

Publicidade
Casarão

Publicidade
Casarão

Publicidade

Para não deixar ninguém de fora e para interagir com outros interessados, todo o conteúdo do projeto e o passo a passo para a criação de brinquedos ópticos estão disponibilizados no blog do projeto.

De acordo com Rô Lovato, o material é fácil de entender e contém a história da origem de cada um dos objetos. No kit cultural e no blog, os primeiros brinquedos ópticos são Taumatrópio e Fenacistocópio, escolhidos por ordem cronológica de invenção, depois da descoberta do fenômeno da animação de objetos. Ambos foram inventados entre 1824 e 1829 e fazem com que imagens sejam animadas como se tivessem vida própria.

A distribuição dos kits culturais, assim como as postagens em blog, foram a solução encontrada pela equipe para dar continuidade ao projeto e para que os participantes tivessem atividades culturais que aguçam a curiosidade e a criatividade, para fazer durante o isolamento necessário para conter a pandemia. “Além disso, a ideia é possibilitar o despertar de novos talentos e o interesse pela sétima arte. Apesar da distância, acreditamos ser uma forma eficaz de participação e de estarmos juntos na arte da animação”, afirma Anderson.

A assessora de imprensa do projeto, Bibi Rodriguez, informa que os kits foram higienizados e por iniciativa da presidente do Serviços de Obras Sociais (SOS), Nélida Marina Pistone, fornecem também uma máscara confeccionada por voluntários da entidade e distribuída gratuitamente.

Publicidade