Publicidade
Coro conduz a história da peça (foto: Gustavo Rodrigues)

O grupo NucleArte apresenta, no sábado (6) o espetáculo “Lama – O grande cemitério”, que aborda as graves consequências dos crimes cometidos pelas mineradoras em Mariana e Brumadinho. A estreia está na programação do Julho Fest e tem entrada gratuita, às 20h30, na Urca.

Segundo o grupo, tratar deste tema requer mergulhar em um vasto, revoltante e triste universo: a influência política e econômica da mineração, as centenas de mortes, as dúvidas sobre a vida no Rio Doce, o luto, a superação da perda e a tentativa de seguir em frente. Para representar tantos pontos, o elenco se transforma em um coro que conduz a história entre os sentimentos dos sobreviventes da tragédia e o lamento mineiro, estado que desde a fundação convive com a exploração da natureza e o sofrimento do povo em benefício do lucro.

A dramaturgia é de João Araújo, jornalista que cobriu as duas tragédias para o portal Poços Já, junto do também jornalista Juliano Borges (acesse as séries de reportagens clicando aqui e aqui). As histórias relatadas por moradores e ouvidas pela dupla são retratadas na peça, por meio do personagem interpretado por João. Além disso, a atriz Isabela Viana também leva a experiência pessoal para o espetáculo. Formada em Serviço Social, ela morou em Mariana e estudou na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop).

Atriz Isabela Viana, que leva para a montagem a experiência de ter morado em Mariana (foto: Rogério Santos)

“Ao externar sentimentos e histórias, queremos que esses crimes sejam sempre lembrados. O poder da mineração está enraizado em todo o Brasil, mas de forma ainda mais forte e histórica em Minas Gerais. O que podemos fazer para tentar combater a parte negativa de tudo isso, aquela que recai sobre o povo? Mostrar, lembrar, fazer com que outras pessoas sintam as dores. Também destacamos que as consequências destes dois desastres ainda não são possíveis de contabilizar. É algo que infelizmente está longe de ser concluído”, comenta João Araújo.

Além do texto, as músicas da peça também são autorais e executadas ao vivo. Com direção musical de Nanda Dearo, o grupo compôs “Onda vem”, “Saudade tem cor” e “Cadê”, no intuito de potencializar as intenções do espetáculo.

Ficha técnica

Direção: Nando Gonçalves

Casarão

Publicidade
Casarão

Publicidade
Casarão

Publicidade
Casarão

Publicidade

Codireção: Luciana Rossi

Direção musical e arranjos: Nanda Dearo

Dramaturgia: João Araújo

Texto: João Araújo, Isabela Viana

Iluminação: Felipe Campos

Violão: Guilherme Reche e Rafa Falz

Percussão: Gui Guerriero e Fernanda Franz

Cenografia: Nando Gonçalves

Cenotécnicos: Aria Nery e Juliano Borges

Elenco: Aria Nery, Fernanda Franz, Gui Guerriero, Isabela Viana, João Araújo, Julia Montezano, Lino Bento, Marcelo Ambrósio, Nanda Dearo, Rafa Falz e Victor Araújo.

Publicidade