Publicidade
Eagle Motos
Publicidade
Eagle Motos
Publicidade
Eagle Motos
Publicidade
Eagle Motos
Publicidade

Na tarde de sábado (8) ocorreu um ato pelo fim da violência contra as mulheres, no Centro de Poços de Caldas. Organizado pelos coletivos feministas Mulheres pela Democracia e Marielle Franco, o protesto relembrou casos recentes, como o de Agatha Nalin Soares de Brito, 13 anos, e Daniele Capelari Plachi, 33, entre outros.

Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade

Nas ruas, a manifestação exibiu cartazes e faixas, além de distribuir panfletos sobre o assunto. Edna Leite Ramos, da Marcha Mundial da Mulheres e do Coletivo Mulheres pela Democracia, destaca que o clima não colaborou no sábado, mas mesmo assim o ato foi bastante importante. “Sempre acho que os atos e as panfletagens são extremamente relevantes para que a população veja a luta e o que está acontecendo, pra saberem que não está tudo bem e que precisamos nos unir”.

Para a militante, unir essas pessoas precisa ir além das tragédias e dos assassinatos. “Cada vez que uma mulher é assassinada, estuprada, violentada, todas nós somos um pouco também, por isso precisamos de conscientização, união e, principalmente, trabalhar na prevenção, ainda dentro das nossas casas, escolas, bares e rodas de amigos”, pontua.

O acolhimento das vítimas também é um ponto que Edna faz questão de ressaltar. Ela alerta para a necessidade de uma estrutura dentro do estado e órgãos de segurança, além de uma sociedade pronta para acolher a vítima, sem julgamentos. “Precisamos conversar sobre o machismo e o patriarcado em todos os lugares, porque eles afetam toda a sociedade. Precisamos que tenha um lugar para que as mulheres possam fazer essas denúncias sem questionamentos desnecessários, mas que elas também possam entender a violência, quando elas são mortas muitas coisas já aconteceram, geralmente ela constrói uma história e vem sendo violentada de várias formas com gritos, safanões, empurrões, patrimonial e humilhações, existem várias violências antes do assassinato”, relata.

O ato se concentrou na Praça Pedro Sanches, percorreu ruas da área central e retornou ao ponto inicial. Veja abaixo algumas imagens registradas pelas fotografas Pamela Flausino e Nany Abrahão.