Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade

Aulas extracurriculares serão retiradas de pelo menos cinco escolas da rede municipal de ensino de Poços, a partir de 2020. A medida anunciada recentemente tem desagradado os responsáveis pelos alunos. A Secretaria de Educação diz que a medida visa economizar cerca de R$ 1 milhão ao ano dos cofres públicos.

As aulas extracurriculares fazem parte de um programa criado há 10 anos e contempla alunos do sexto ao nono ano com a chamada sexta aula. Nesta aula os alunos aprendem matérias extras que são escolhidas a critério da direção. No caso da Escola Municipal José Raphael dos Santos Netos, as matérias são redação e raciocínio lógico.

Segundo uma leitora e mãe de aluno, “Essas matérias trazem grande incentivo e motivação para as crianças, sendo que este ano tivemos uma aluna que tirou 1° lugar no concurso de Redação da Alcoa. Já temos pouco na educação, andamos bem aquém dos colégios particulares, e ainda querem retirar este pouco. Onde está o senso social e cultural?”. Professores também não concordam com a decisão e fizeram uma manifestação na manhã desta terça-feira (5), em frente à prefeitura.

Publicidade

O que diz a secretária de Educação

A secretária de Educação, Maria Helena Braga, confirmou que vai retirar a sexta aula e ficará a critério da direção da escola escolher o que achar interessante. A reportagem do Poços Já fez alguns questionamentos, mas não obteve mais respostas desde quinta-feira e as tentativas de ligação não foram aceitas.

Em entrevista para a EPTV, a secretária afirmou que o município irá cumprir o que determinada a lei, ou seja, 800 horas de aula e 200 dias letivos. Além disso, ela diz que a sexta aula fere a isonomia salarial, pois um professor que dá aulas de 45 minutos ganha o mesmo que o outro que leciona aulas de 50, e que isso gera um impacto na folha de pagamento de R$ 1 milhão ao ano.