Publicidade

Na próxima segunda-feira (7) começa, em todo o Brasil, a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. Devem ser vacinadas crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade.

As crianças são as mais suscetíveis às complicações e óbitos por sarampo. A incidência de casos em menores de 1 ano é nove vezes maior em relação à população em geral. A segunda faixa etária mais atingida é de 1 a 4 anos. No final de agosto, a vacinação foi estendida para crianças a partir de 6 meses de idade, a chamada dose zero. Anteriormente, a dose da tríplice viral era recomendada para crianças a partir de 1 ano.

Além disso, a vacinação dos menores de 1 ano não substitui as aplicações previstas quando a criança completa as idades estipuladas pelo Programa Nacional de Imunização, que são de 12 e 15 meses. “Trata-se de uma dose a mais, incluída no calendário, para a prevenção mais eficaz e mais cedo deste público, durante este período de surto que nós enfrentamos”, explicou Juliana Loro, coordenadora da Vigilância Epidemiológica.

Publicidade

A Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo ocorre de 7 a 25 de outubro. O Dia D, com mobilização nacional, será 19 de outubro. Está programada ainda uma segunda etapa da campanha, de 18 a 30 de novembro, quando o foco será a população de 20 a 29 anos. O Dia D desta fase ocorrerá em 30 de novembro.

“Neste primeiro momento, a orientação do Ministério da Saúde é priorizar a imunização do público infantil, que é o que corre mais riscos. Mas já está prevista esta segunda etapa da campanha, quando, aí sim, o foco será a população adulta”, esclareceu a coordenadora da Vigilância Epidemiológica.

Precisam ser vacinadas todas as pessoas até os 49 anos que não tenham o registro da vacina contra o sarampo em suas carteiras de vacinação. Quem não tomou a vacina quando criança, até os 29 anos, deve receber duas doses da tríplice. Dos 30 aos 49 anos é recomendada dose única.

Além disso, profissionais de saúde também devem ser vacinados, independentemente da idade. Quem já teve sarampo não precisa tomar a vacina porque a imunidade decorrente da invasão persiste para o resto da vida.

Reunião técnica

Na manhã desta quinta-feira (3), profissionais de enfermagem que trabalham nas salas de vacina de Poços estiveram na Associação Médica para participar de uma reunião com a responsável técnica de imunização do Município, Gisele Scatola. “Esse trabalho de vocês nas salas, de orientação e de esclarecimento, é muito importante, porque vocês estão em contato direto com os pacientes e com as mães”. O secretário de Saúde, Carlos Mosconi, também esteve na reunião técnica. “Nosso setor de Imunização é muito competente, equipado, e está preparado para mais uma campanha tão importante como esta”.

Postos de vacinação

A vacinação acontece nas salas dos bairros Country Club, São Jorge, Regional Leste e Sul, e nos Ponto da Cascata, Esperança 2, Kennedy 1 e 2, Quisisana, Santa Rosália, Vila Nova, Dom Bosco, Nova Aurora, Jardim São Paulo, Santa Augusta, Parque Pinheiro, Itamaraty 3, São José e Caio Junqueira. O funcionamento é das 7h às 16h30.

Na Policlínica Central, o atendimento é até as 18h. É importante levar o cartão de vacinação e um documento oficial com foto, no caso dos adultos. Até o mês de julho, a cobertura vacinal de crianças estava em 84,3% para a primeira dose, e em 74% para a segunda dose.

Transmissão e sintomas

A transmissão do sarampo é viral e ocorre diretamente de pessoa a pessoa por tosse, espirros, fala ou respiração. A doença é transmitida na fase em que o indivíduo apresenta febre alta, mal-estar, coriza, irritação ocular, tosse e falta de apetite e dura até quatro dias após o aparecimento das manchas vermelhas no rosto, que progridem em direção aos pés, com duração mínima de três dias.

Por isso, é fundamental, tendo os primeiros sintomas, procurar a Unidade Básica de Saúde ou um serviço de pronto atendimento, o mais rápido possível. Também são comuns lesões muito dolorosas na boca. A doença pode ser grave, com acometimento do sistema nervoso central, e pode complicar com infecções secundárias como pneumonia, podendo levar à morte.

Números

Em Poços de Caldas, a Vigilância Epidemiológica notificou até o momento 42 casos. 36 já foram descartados por sorologia. Um caso foi confirmado, com histórico de deslocamento para São Paulo. Os demais casos permanecem em investigação.