Publicidade
Unifenas
Publicidade
Unifenas
Publicidade
Unifenas
Publicidade
Unifenas
Publicidade
Mina Campo do Cercado fica no Planalto de Poços de Caldas (foto: Lázslo Horváth)

Poços de Caldas recebe, na sexta-feira (20), o seminário “Caldas deu Urânio para o Brasil, mas o que restou?”. O evento recebe especialistas e autoridades no intuito de divulgar informações, estimular o engajamento e criar uma agenda de acompanhamento dos processos de descomissionamento realizados pelas Indústrias Nucleares do Brasil (INB) na cidade de Caldas.

Publicidade

O encontro começa às 8h30, na Câmara Municipal, e segue até o final da tarde. Realizado pela primeira vez em Poços, o seminário é organizado pela Articulação Antinuclear Brasileira (AAB) tem como parceiros entidades como Greenpeace, Fundação Heinrich Böll, Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo(APEOESP), Sindicato dos Químicos de São Paulo e Umverteilen.

A mina do Campo do Cercado, ou Mina Osamu Utsumi, foi o primeiro complexo mínero-Industrial brasileiro para a produção de concentrado de urânio. Entrou em atividade em 1982 e tinha como slogan “Caldas dá urânio para o Brasil”. Com baixa produtividade, alto custo para produção e a descoberta de uma jazida de urânio muito mais rentável no município de Caetité (BA), em 1995 a mina do Campo do Cercado encerrou suas atividades, mas deixou um enorme passivo ambiental para ser resolvido.

Entre os palestrantes estão o arquiteto, secretário executivo da Comissão Brasileira de Justiça e Paz da CNBB, cofundador do Fórum Social Mundial, Chico Whitaker, a Procuradora da República dra. Gabriela Saraiva Vicente de Azevedo Hossri e o mestre em História e diretor da Associação Hibakusha Brasil Pela Paz, André Lopes Loula. Foram convidados ainda autoridades e entidades que representam o interesse das populações da região e aquelas que atuam em defesa das águas.

Programação

8h30 às 11h30: mesa de abertura

Impactos das políticas ambiental e nuclear

Coordenador: Roberto Tereziano – jornalista

O Programa Nuclear Brasileiro

Dra. Marijane Lisboa (socióloga, professora da PUC-SP e ativista de causas ambientais)

A política ambiental e o modelo minerário

Silvana Torquato – engenheira florestal e mestre em agronomia

As consequências da mineração de urânio em Caldas

Joelma do Couto – fotodocumentarista da AAB

Leandro Barbosa do Couto – Movimento pela soberania popular na mineração (MAM)/ ONG Nascentes do Rio Pardo (Narp)

Direitos humanos e o ciclo nuclear

Chico Whitaker

Arquiteto, secretário executivo da Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB, cofundador do Fórum Social Mundial

Intervalo para almoço

13h30 às 15h15:

Segurança e direitos da população e dos trabalhadores do setor nuclear

Coordenadora: Fernanda Giannasi – engenheira e ex-auditora fiscal do Ministério do Trabalho

Dra. Érica Coutinho – coordenadora jurídica do escritório Mauro Menezes e Advogados de São Paulo

Dra. Gabriela Saraiva Vicente de Azevedo Hossri – Procuradora da República

Hélio Rodrigues – Presidente do Sindicato dos Químicos de São Paulo

Depoimento de vítimas da radiação ionizante

15h30 às 17h30

Efeitos biológicos da radiação ionizante

Coordenador: André Lopes Loula- mestre em História e diretor da Associação Hibakusha Brasil Pela Paz

Dra. Maria Vera C. O. Castellano – pneumologista e diretora do Serviço de Doenças do Aparelho Respiratório do Hospital Servidor Público do Estado de São Paulo

Dra. Regina Cioffi – pediatra, ativista ambiental, criadora da Comissão das Águas da Câmara Municipal de Poços de Caldas

Dra Raquel Rigotto Archives -ex-professora titular da Faculdade de Medicina da UFC, Coordenadora do Núcleo Tramas/UFC, Membro do GT Saúde e Ambiente da Abrasco, Membro da RBJA

Depoimentos: Caetité (BA), Angra dos Reis (RJ), Goiânia (GO), Santa Quitéria (CE)

Apresentação cultural de encerramento