Publicidade
Eagle Motos
Publicidade
Eagle Motos
Publicidade
Eagle Motos
Publicidade
Eagle Motos
Publicidade

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG) tem trabalhado na fiscalização de empresas e profissionais inabilitados em Minas Gerais. Só em Poços de Caldas, no primeiro semestre de 2019, foram 242 ações de fiscalização, resultando em 72 autos de infração.

Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade

As fiscalizações em obras e empreendimentos de engenharia, agronomia e geociências, resultaram na média de 10 infrações por mês, quase 70% direcionadas a pessoas e empresas inabilitadas. Dentre as irregularidades, as mais comuns são a falta de profissional responsável técnico e empresas sem registro. “A nossa preocupação maior é cumprir o papel do Conselho de defender a sociedade, impedindo pessoas não habilitadas a prestarem serviços especializados, colocando em risco a vida da população”, afirma o presidente do Crea-MG, engenheiro civil Lucio Borges.

O trabalho tem sido realizado em todo o estado e conta com convênios de mútua cooperação técnica firmados com prefeituras e outros órgãos públicos. “Essas parcerias possibilitam identificar e combater mais rapidamente atuações irregulares no mercado. Nosso foco é trabalhar para combater a atuação de empresas e profissionais inabilitados. Precisamos lembrar que nós, profissionais, pessoa física ou jurídica, também temos nossas obrigações legais para o exercício profissional e estamos sujeitos ao que a lei determina”, explica Lucio Borges.

A efetividade da fiscalização também se explica por uma mudança de procedimento. Anteriormente, o Crea-MG emitia a notificação com prazo para regularização. Com a resolução 1.047/2013 do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), a autuação de irregularidade, tanto de pessoas físicas como jurídicas, é direta. O Conselho acredita que muitos dos empreendedores, que antes iniciavam suas atividades sem ter profissionais como responsáveis técnicos, e, só depois de notificados, buscavam a regularidade, comecem dentro da legalidade. “Hoje, eles arriscam bem menos, pois não há mais notificação e sim autuação direta. No entanto, fica resguardado o amplo direito de defesa nas diversas instâncias como Câmaras e plenário do Crea e do Confea”, finaliza Lucio

Outro modelo adotado, desde 2018, que tem dado bons resultados são as blitze. Para a diretora Técnica e de Fiscalização, engenheira civil e de Segurança do Trabalho Graça Lage, esse tipo de ação otimiza as atividades do Conselho e promove uma mudança cultural, reforçando a necessidade de os empreendimentos e serviços se manterem permanentemente regulares. “A fiscalização é um instrumento para garantir profissionais legalmente habilitados na condução dos serviços e empreendimentos nas áreas da engenharia, agronomia e geociências, com a aplicação das melhores técnicas, respeitando o bem-estar social e humano, os critérios de segurança e o equilíbrio ambiental”, afirma Graça.