Publicidade
Cel. Giuvane estava em Varginha e irá assumir o comando da região 

O 6º Comando Operacional de Bombeiros realizou, na manhã desta terça-feira (20), uma solenidade para troca de comando. O coronel Ernande Brandão Davi deixa suas funções de comandante da unidade, que agora será gerida pelo coronel Giuvane Barbosa de Moraes. Evento aconteceu no Espaço Cultural da Urca.

A troca acontece no momento em que o coronel Ernande deixa suas funções junto à corporação para se aposentar. Já o coronel Giuvane acaba de ser promovido e assume o comando. Para a solenidade se fez presente o Comandante Geral dos Bombeiros, coronel Cláudio Roberto de Souza.

O Coronel Giuvane ressaltou que sua função é fazer a máquina operacional andar, máquina essa que cuida de 55 municípios na região, além de ser o elo de comunicação com o alto comando em Belo Horizonte. “Para meu comando vamos usar o plano de comando, e um dos eixos, é a expansão territorial, diminuindo o tempo de resposta e fazendo com que o Corpo de Bombeiros esteja mais próximo da população. Então, no Sul de Minas teremos frações que serão elevadas, como Pouso Alegre que vai passar de companhia operacional a companhia independente, além da criação de postos avançados, que são frações menores, mas que darão o primeiro suporte até a chegada de um recurso maior. Temos a previsão de um posto avançado em Boa Esperança e Andradas, ainda este ano”, explica.

Cel. Guivane entrou para o Corpo de Bombeiros em 1993, na época em que ainda era Academia da Polícia Militar, já que as corporações eram uma só. Serviu em Araxá, Uberaba, Uberlândia, Belo Horizonte e passou os últimos 13 anos em Varginha. Em fevereiro foi promovido a coronel e recebeu o comando do 6° COB, onde já tem um bom conhecimento.

Autoridades compõem a mesa durante a solenidade

Já o coronel Ernande vai para a reserva aqui na cidade onde começou sua carreira, em Poços de Caldas. Ele fala já em tom mais descontraído das suas funções e se mostra agradecido pelos 30 anos de serviço. “O sentimento é de gratidão e felicidade, lutei por muito tempo para que Poços se tivesse a sua Companhia Independente, e acabou que conseguimos trazer junto o Comando Operacional. Com isso conseguimos beneficiar a população do Sul de Minas que sempre apoiou e ajudou, como uma forma de retribuição, aumentando a segurança e um atendimento de qualidade”, esclarece.

O carinho do coronel pela cidade foi nascendo aos poucos,  já que quando foi destinado para trabalhar no município, ele não queria. “Me formei tenente e recebi a missão de vir para Poços, o comandante da época me disse que aqui eu arrumaria uma namorada, casaria e iria agradece-lo. Eu pedi para ficar em Belo Horizonte, mas ele insistiu e hoje o agradeço porque em Poços de Caldas encontrei muito carinho, tudo que tem aqui foi conquistado pela comunidade. Um exemplo disso, é que quando uma viatura estragava a gente nem precisava pedir, a imprensa mobilizava os empresários, que consertavam, ainda numa época difícil”, recorda.

Foram das dificuldades que surgiram as grandes histórias que o coronel relembra. A primeira viatura de resgate do Sul de Minas foi em Poços; a moto-resgate, que é modelo no Brasil, foi um projeto local, e foi também a primeira cidade a doar um veículo zero quilômetro, de combate a incêndios, ao Corpo de Bombeiros, caminhão que está em pleno funcionamento.

“Poços tem uma equipe de profissionais que não mede esforços para trabalhar e a população sempre ajudou. Hoje agradeço e se eu pudesse escolher, começaria tudo de novo, mas mudaria o jeito de falar com o comandante e seria o primeiro a pedir para vir”, finaliza.

Bom público prestigiou a troca do comando
Publicidade