Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Nafar
Publicidade
Artigo da seção Poços 2024 é assinado por Azer Elias Zenun Junqueira (foto: arquivo pessoal)

Recebi recentemente a honraria do Título de Cidadania Poços-caldense.Essa linda cidade que me abraçou e pela qual eu já luto há muitos anos. Apesar de todas as belezas e toda a estrutura que temos nessa estância climática, existem questões fundamentais que precisam ser resolvidas, com muito planejamento, para as próximas gerações.   

Temos  a questão da avenida João Pinheiro, para onde já existe um projeto de revitalização. A questão da Estação de Tratamento de Esgoto, nossa ETE, que até hoje não foi finalizada. Precisamos dela para que seja realizada a total captação dos resíduos para tratamento, para que a água possa ser reutilizada, já que cada vez mais há escassez nos nossos mananciais e, reutilizando essa água, haverá benefício para toda a população focando sempre na sustentabilidade, que é tão importante nos dias atuais.  

Uma cidade, para ter desenvolvimento, precisa de mais energia elétrica. Por isso, devíamos aproveitar nosso potencial hídrico e fazer mais usinas, sempre visando a sustentabilidade e respeitando o meio ambiente. Inclusive com estudos sobre a viabilidade de implantação no município de um aterro sanitário com aproveitamento energético do biogás para geração de energia limpa, energia elétrica. Ainda nesta área do meio ambiente, precisamos cada vez mais cuidar para que nossas riquezas sejam preservadas, nossas belezas naturais que tanto nos encantam . Que haja um planejamento para que nós possamos aprofundar o leito dos nossos córregos, evitando com isso as enchentes que já existiram no passado.  

Considero que nossas encostas estão bastante complicadas, houve um desordenamento e aprovações de várias construções em locais inadequados. Obras são importantes, trazem empregos, mas é necessária a preocupação e a prevenção futura, para que não recorram os erros do passado. Precisamos pensar no futuro, realizando um planejamento para daqui a 200 anos. Para isso, nós precisamos de pessoas que façam esse planejamento e renovem o Plano Diretor, para que ele traga sustentabilidade e mobilidade urbana. 

No Turismo, onde já há uma parceria público privada, é preciso que nossos pontos turísticos possam ser revitalizados e tenham o acompanhamento devido focado na preservação. Que haja preservação dos nossos bens públicos, de nossos patrimônios. Só dessa forma poderemos receber cada dia mais turistas.

Seria de bom alvitre que nós tivéssemos um local onde pudéssemos colocar o poder Municipal, o Executivo, a Câmara Municipal e o poder Judiciário. Um local onde realmente pudéssemos trazer mais recursos para uma determinada área, para que essa área pudesse ter crescimento. Com um complexo como esse, com certeza, você levará o progresso para a região e que essa região seja escolhida sem nenhum interesse de empresários ou quem quer que seja, mas apenas pensando no todo, ou seja, na comunidade. 

Na questão do transporte, eu considero a Circullare um exemplo de empresa, onde circulam ônibus da melhor qualidade. Falo isso com muita propriedade, sem medo nenhum de contestações. É um pensamento de uma pessoa que já viveu em outras cidades, como Campinas, Uberaba e Brasília. Essa última, a capital do país, uma cidade modelo,  onde o transporte público é um desastre. Que seja a Circullare, ou outra empresa que esteja à frente do transporte público, mas que essa empresa possa nos representar, com boa qualidade para as 45 mil pessoas que hoje utilizam esse transporte. 

Outra coisa importantíssima, que eu considero que foi um erro e gostaria que não estivesse naquele local, que fosse apenas um corredor de passagem, é o Terminal Rodoviário Urbano, que eu gostaria de ver em outra situação, em outro local e não naquele, pois a sua localização atual aumenta ainda mais o fluxo de carros na Rua Assis Figueiredo e na Rua Marechal Deodoro.

Que pudéssemos revitalizar o Monotrilho, para que ele realmente fosse otimizado e utilizado tanto para o turismo, quanto para o transporte coletivo. Mas, se chegar à conclusão de que não vale a pena, que ele não vai trazer coisas boas para o turismo e para a coletividade, que ele seja colocado no chão e que essa grande quantidade de concreto seja reutilizada em casas populares para ajudar a sociedade mais carente.  

Claro que não poderia deixar de citar a  Santa Casa de Poços de Caldas, que é o hospital de referência, que atende 90% de SUS. Que nós possamos trabalhar com sustentabilidade. Que a sociedade entenda o bem que a Santa Casa traz para toda a comunidade de Poços e região. Gostaria de vê-la revitalizada, com toda sua estrutura, com uma ala nova, onde pudesse atender os pacientes com mais conforto, com esmero e cada dia com uma melhor qualidade, não só de equipamentos, mas de capacidade técnica de todos os servidores daquele hospital. 

2024 não fica tão distante, mas que nossas decisões e ações dos próximos quatro anos possam impactar de maneira positiva as futuras gerações.

*Azér Elias Zenun Junqueira é superintendente da Santa Casa de Poços de Caldas