Publicidade

Olá queridos (as)! Já passamos da metade do ano e agora é um bom momento para fazermos um balanço sobre as realizações e o andamento das metas que traçamos para 2019. Quais já foram alcançadas, quais estão em desenvolvimento e quais foram deixadas para trás e precisam ser ajustadas? Para auxiliar nesse processo, de estabelecimento ou análise de metas, costumo utilizar uma ferramenta de coaching bastante conhecida, a Roda da Vida. A partir dela conseguimos ampliar nossa percepção sobre as diversas áreas e mensurar nosso desempenho em cada uma delas, refletindo sobre seu significado e as ações que estamos tomando para melhorá-las ou não. Então convido você a me acompanhar nessa jornada que inicia aqui e continuará nos próximos artigos, vamos?

Muitos clientes que atendo chegam até mim com dificuldade para definir uma meta, pois de alguma forma sabem que a vida não está legal, mas não conseguem identificar em que área especificamente está o problema maior. Quando isso acontece, costumamos generalizar e transferir a sensação de insatisfação para várias outras partes da vida e, assim, nossa dificuldade parece ser maior do que de fato é e a solução parece ser muito difícil de ser alcançada. Fazendo esse exercício ampliamos nossa visão, é como olhar de cima, enxergar a vida em seus vários setores. Nos colocamos como construtores e decoradores dessa obra de arte, podendo ajustar todos os detalhes, para que se torne mais equilibrada e harmônica.

Além de indicador de desempenho, também podemos avaliar como está nossa saúde mental, uma vez que este aspecto tem relação com nossa capacidade de superar os desafios da vida. Poder contar com uma rede de apoio – pessoas e recursos – para ajudar a superar as dificuldades faz toda a diferença. Quando temos algum problema de saúde, por exemplo, essa área está atingida, porém se outras áreas da vida estão bem, podemos contar com o apoio da família nos cuidados, apoio de amigos para conversar e dar dicas e indicações de bons tratamentos e temos os recursos financeiros necessários para comprar remédios, fica mais fácil lidar com essa doença e encará-la mais tranquilamente.

O contrário também pode acontecer: se uma pessoa dedica seu tempo e energia basicamente a uma parte apenas e se acontece algum comprometimento nesse setor ela fica mais fragilizada, tende a se sentir mais enfraquecida e sem esperança, comprometendo muito sua saúde mental. Alguém que vive só para trabalhar e de repente fica desempregado pode sofrer e se desestabilizar muito emocionalmente, sem poder contar com amigos e família. É pior ainda se o nível de espiritualidade é baixo, pois a pouca fé também contribui para esse estado de desânimo. Daí notamos como é importante investir e cuidar de diversos aspectos da vida, entendendo que em cada fase que vivemos alguns terão mais investimento que outros.

Depois dessas explicações iniciais, vamos trabalhar? Sugiro que você pegue uma folha e faça um círculo grande, depois divida esse círculo em partes como se fossem fatias de pizza. Cada fatia será para uma área, então coloque o nome da área na parte correspondente e, após responder as perguntas, dê uma nota e marque esse valor no gráfico (considerando zero o centro do círculo e dez a extremidade).

Vamos começar com a Saúde: a saúde é um setor essencial, pois se ela não estiver em dia pode trazer sérios prejuízos para todas as outras áreas. Como você define a sua saúde? A saúde é só física ou engloba outras partes? Como está a sua saúde e a saúde das pessoas próximas a você? Você se dedica a cuidar dela o quanto gostaria ou é necessário? O que poderia fazer para melhorar sua saúde? De zero a dez que nota você atribui a sua saúde hoje?

Para todas as áreas iremos repetir esse processo descrito acima, incluindo os modelos de perguntas, lembrando que quanto mais perguntas você se fizer e mais abrangentes e profundas elas forem, maior será a sua compreensão e isso te trará mais possibilidade de ação para melhorias.

A família é outro pilar que merece nossa atenção. Podemos considerar como família as pessoas muito próximas a nós, não necessariamente e não somente nossos parentes consanguíneos, mas sim as pessoas com grande nível de proximidade, confiança e carinho. Se fizer sentido para você, pode estabelecer família de origem como uma parte, incluindo pais, irmãos, tios, avós e primos, e numa outra parte a família atual composta pelo(a) companheiro(a), sogro(a), cunhados(as) e filhos(as). Ainda pode incluir, se for o caso, família biológica e família adotiva. Você pode ir personalizando a sua Roda da Vida e fazendo subdivisões que façam sentido para você, quanto mais coerente ela ficar com relação à sua realidade e seus valores, melhor será o resultado!

Um outro setor que muitas vezes é negligenciado é o seu relacionamento consigo mesmo, o amor próprio é tão ou até mais importante que o relacionamento amoroso com um parceiro(a). A autoestima, a forma como você se trata, se na maior parte das vezes é com críticas ou com palavras de afeto e compreensão de suas limitações e erros, diz muito sobre a autoapreciação e a construção da nossa noção de merecimento. Se eu me acho uma pessoa incrível, reconheço minhas qualidades e aceito minhas limitações, vou entender que também mereço coisas maravilhosas, os melhores relacionamentos e oportunidades e isso vaio me motivar a ir em busca deles e conquistá-los. Já ouviu aquela frase: “nós temos e somos aquilo que acreditamos que merecemos”? É bem por aí!

Bom, por hoje vamos ficar por aqui, espero que tenha conseguido fazer essas três primeiras áreas da sua Roda da Vida. Se tiver alguma dúvida me manda pelas redes sociais (Facebook ou Instagram) que te ajudo e não perca o nosso próximo artigo para darmos a continuidade, ok?

Somos uma soma de potenciais a serem explorados e quando percebemos que podemos fazer mais do que estamos fazendo e podemos fazer diferente do que temos feito, é como se uma lente embaçada que nos impedia de ver com clareza a realidade fosse limpa. A partir do momento que entendemos o quanto somos capazes, que podemos tomar consciência de nossos obstáculos e desenvolver o que é necessário para superá-los, passamos a fazer escolhas melhores e assim direcionamos nossos esforços no sentido de conseguir o resultado que queremos e teremos mais felicidade. Até a próxima!

*Daphne Rajab Cardia é psicóloga, formada na Universidade Vila Velha, MBA em Gestão de Pessoas pela FGV, Coach certificada pelo Instituto Brasileiro de Coaching, Consteladora Familiar Sistêmica formada pela Hellinger Schule Brasil, especialista em desenvolvimento pessoal e profissional. Tem como missão de vida ajudar as pessoas a tomar consciência de si mesmas e alcançar a vida plena.

Publicidade