Publicidade
Acordo Coletivo foi aprovado em assembleia (foto: Sindserv)

A assembleia geral convocada pelo Sindicato dos Servidores Públicos (Sindserv), realizada na noite de quarta-feira (9), na Urca, pôs fim a mais uma negociação do acordo coletivo. Os servidores chegaram a um consenso e definiram que a proposta mais favorável é a do reajuste do índice da inflação de 3,75%, mais 0,25% de ganho real a partir de julho e abono de R$ 200 em maio.

O vale-alimentação, atualmente em R$ 465, será reajustado para R$ 485, retroativo a março e dividido em duas parcelas. O banco de horas, proposta apresentada pela administração municipal, foi rejeitado pela categoria e não estará no acordo.

Segundo Marieta Carneiro, presidente do Sindserv, outras quatro contrapropostas da administração foram acatadas: uma delas trata de estudo que vai analisar a viabilidade de revisão salarial e progressão de auxiliares administrativos da ESF (Estratégia de Saúde da Família); também será feita análise de impacto para alteração da carga horária de professores PI de 20 para 30 horas. “A Secretaria de Educação vai fazer um estudo para tentar viabilizar a alteração legislativa, permitindo que mais PI’s ampliem para 30 horas, atendendo assim a demanda dos professores”, explica.

A progressão por nova qualificação de servidores do CEO (Centro de Especialidades Odontológicas) foi aprovada e será enviada à Câmara Municipal para que em 2020 estes servidores possam progredir na carreira. Por fim, foi aprovado estudo para revisão dos cursos EAD. Uma comissão formada pela administração vai analisar a possibilidade de aceitar cursos do ensino à distância que estiverem de acordo com normas estabelecidas pela prefeitura.

Marieta explica que oficiará a administração sobre a decisão da assembleia para que a mesma agende a data de formalização da assinatura do acordo coletivo 2019/2020, e assim este passe a ter legalidade.

*Fonte: assessoria de imprensa

Publicidade