Publicidade
Servidores do DMAE participaram da reunião (foto: divulgação)

Após notícias divulgadas na região a respeito da possível contaminação por agrotóxicos da água distribuída em Poços e, também, depois da discussão do tema durante reunião ordinária da Câmara, o presidente da Comissão das Águas, vereador Antônio Carlos Pereira (DEM), convocou uma reunião extraordinária e convidou o Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) para apresentar informações sobre o assunto. Participaram do encontro diversos servidores da autarquia, entre eles o gerente das Divisões de Administração, Financeira e Comercial, Maurício Kato da Silva, e a supervisora da Seção de Produção de Tratamento, Ana Maria Ferreira.

A reunião contou com a presença dos demais membros da Comissão das Águas, vereadores Maria Cecília Opípari (PT) e vereador Álvaro Cagnani (PSDB), e também dos vereadores Joaquim Alves (MDB) e Paulo Tadeu D’Arcádia (PT). Representantes de órgãos ambientais que atuam em Poços, de entidades como Assemae e CBH Grande (Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Grande), da Unifal e da empresa INB também participaram do debate.

Durante o encontro, servidores do DMAE falaram sobre os procedimentos adotados de monitoramento da concentração de agrotóxicos na água, ressaltando que a autarquia faz análises semestrais de todos os compostos exigidos por Portaria do Ministério da Saúde, em amostras coletadas na Saída do Tratamento. Ainda segundo informações do Departamento, no período de 2014/2018, os resultados encontrados para os agrotóxicos foram L.Q ou N.D (menores que os Limites de Quantificação ou Não Detectados), concluindo-se, então, que eles estão de acordo com o que é exigido pelo Ministério da Saúde.

O gerente Maurício Kato agradeceu a oportunidade de estar na Câmara apresentando informações oficiais sobre o tema. “O DMAE, primeiramente, agradece a oportunidade de estar na Câmara para apresentar os trabalhos que nós fazemos diariamente no controle e qualidade da água distribuída à população de Poços. Foram veiculadas, na última semana, algumas matérias falando sobre a presença de agrotóxicos, utilizando a fonte Siságua, onde o DMAE lança os dados. O simples fato do DMAE colocar que foram localizados índices de agrotóxico, mas nada que seja um limite nocivo, índices que são totalmente irrisórios, que nem é possível quantificar, de tão baixos que são, fez com que a mídia falasse que o DMAE possuía uma das águas mais contaminadas por agrotóxicos. Lamentavelmente, vemos uma postura não muito correta, de ficar fazendo uma matéria sem divulgar o real teor dessa detecção de agrotóxico”, afirmou.

Kato garantiu que em nenhum momento o DMAE distribuiu água com agrotóxico à população. “O DMAE veio à Câmara apresentar os trabalhos, como também entregou todos os resultados de análises feitas diariamente. Em momento algum houve presença de agrotóxico que seja nocivo à saúde humana ou até mesmo distribuímos água com agrotóxico. O DMAE jamais faria ou fará isso. Qualquer detecção que houver, e se houver, o DMAE suspenderá imediatamente. Temos esse cuidado com a qualidade, atendendo também à Portaria do Ministério da Saúde”, declarou.

O vereador Antônio Carlos Pereira considerou a reunião muito esclarecedora. “Nós todos da comissão ficamos muito satisfeitos. Ficou comprovado que o índice de Poços de Caldas está abaixo dos índices brasileiro e europeu. Resumindo, a água do DMAE é de boa qualidade. O Departamento é uma empresa séria, possui funcionários com anos e anos de serviços prestados e temos plena confiança nessas informações”, concluiu o presidente da Comissão das Águas.

*Fonte: assessoria de imprensa da Câmara

Publicidade