Talvez seja difícil entender o conceito de Constelação Familiar Sistêmica, mas vamos tentar ajudar. Para começar, um resumo feito pela psicóloga, coach e consteladora Daphne Rajab Cardia: “é um método terapêutico que permite solucionar questões diretamente influenciadas por gerações familiares anteriores”.

Por exemplo: uma questão mal resolvida no relacionamento da sua avó com a sua mãe pode provocar em você dificuldades no exercício da maternidade. “Olhar para a própria história, para os aspectos incompreendidos e que trazem algum bloqueio, permite superar as incongruências e criar novas possibilidades, restaurando a saúde psíquica e o fluir da vida”, comenta Daphne, que estudou a abordagem diretamente com a equipe do criador, o filósofo, teólogo e psicoterapeuta alemão Berth Hellinger.

Segundo Daphne, a Constelação Familiar pode ser aplicada a qualquer grupo de pessoas (foto: divulgação)

A Constelação Familiar Sistêmica foi desenvolvida há mais de 40 anos e, dizendo de forma mais técnica, refere-se ao posicionamento das pessoas dentro dos sistemas dos quais fazem parte, sejam eles famílias, empresas ou quaisquer outros grupos.

O procedimento sempre tem foco em entender as questões, para solucioná-las em seguida. Assim, são interrompidas situações negativas e repetitivas. “A partir da Constelação fica claro para a pessoa qual o próximo passo que ela deve tomar na solução do problema, no sentido de se libertar do que não quer repetir na sua vida, daquilo que dificulta o equilíbrio, a paz e a felicidade”, acrescenta a consteladora.

Na prática

Para chegar a esse resultado, o procedimento é simples. Cada sessão tem um grupo de interessados, cada um querendo constelar uma dificuldade pessoal específica. Define-se então quem começa e esta pessoa escolhe, entre o grupo presente, aqueles que vão representar, simbolicamente, as pessoas do sistema a ser constelado. Em nenhum momento o problema é explicado, ou seja, não há necessidade de exposição pessoal.

A mediação é feita pela consteladora, que pergunta a cada um qual a sensação de estar ali, dentro deste conjunto. A partir dessas interações começam a surgir as soluções e o entendimento das origens do problema. É importante deixar claro que não se trata de religião, nem de algo sobrenatural.

O que diz quem já constelou?

Para deixar esse entendimento maior ainda, procuramos duas mulheres que resolveram problemas pessoais por meio das sessões de Constelação Familiar: a Rosa Venturelli, 55, professora de piano, e a Natália Costa, 40, que é funcionária pública.

Rosa conta que já procurou outras técnicas terapêuticas, mas que na constelação sentiu a diferença dos benefícios serem definitivos. Após iniciar o processo de coaching e constelar relacionamentos familiares, ela afirma que passou a ver a vida de outra forma. A partir dali, ela teve coragem para sair de um casamento no qual se sentia infeliz e conseguiu se aproximar mais das filhas. “Eu estava em um momento muito difícil da minha vida. Com a constelação eu comecei a dar mais valor a mim, à minha vida, em tudo que eu queria fazer, colocando em prática as coisas que antes eu deixava para depois”, pontua.

Natália também é só elogios às constelações. Ela diz que é uma forma rápida e eficaz de solucionar problemas, além de aguçar a sensibilidade para que sejam detectadas questões que passam despercebidas em meio à rotina. “É maravilhosa. Você busca um foco e a constelação desenvolve isso, te liberta de coisas do passado. Para mim, foi excelente. Além de indicar, agora eu levo amigas. Recomendo demais”.

Saiba mais

Ainda há muito o que abordar sobre as constelações, mas se você quiser ter essa experiência, ou entender melhor o assunto, pode entrar em contato com a Daphne. A clínica Daphne Rajab Cardia fica na rua Mato Grosso, 285, Centro de Poços de Caldas. O telefone é (35) 3114-2405.

Publicidade