O mundo se emocionou ao ver o trabalho dos bombeiros salvando vidas e encontrando corpos de entes queridos em meio à lama de Brumadinho.

Certamente, foi o desastre com perdas humanas mais chocante dos últimos tempos.

Famílias inteiras foram devastadas e não há dinheiro que pague essa dívida.

Além das centenas de pessoas que morreram, a fauna da região foi devastada e é impossível contabilizar o número de animais mortos no desastre.

A população brasileira se mobilizou mandando doações para humanos e animais e uma equipe grande de resgate trabalha intensamente para aliviar a dor de todos os seres vivos.

A equipe de resgate animal conta com médicos veterinários, zootecnistas, voluntários e estudantes da região.

Um fato que tocou a população foi o abate de alguns animais atolados nas áreas de risco por meio de rifle sanitário. É absurdo que a situação tenha chegado a este nível. Mas, dois animais (uma vaca e um cavalo) que estavam em meio à lama há 4 dias, não poderiam ser içados (pesavam cerca de 300 Kg) e agonizavam no local. Não havia possibilidade de levar um Médico Veterinário, devido às condições de acesso.

Mesmo que os a animais tivessem sido resgatados, não sobreviveriam por muito tempo, já que animais desse porte, atolados há vários dias, apresentam alterações impossíveis de serem revertidas. Ali havia sofrimento animal.

A decisão da equipe foi correta para essa situação de calamidade. Devemos lembrar que nenhum Médico Veterinário fica feliz em ter que eutanasiar um animal. Afinal, escolheram a profissão por amor aos animais.

O respeito pela decisão dos profissionais responsáveis é necessário e devemos tomar muito cuidado com informações sensacionalistas neste momento delicado.

Os animais resgatados com vida estão sendo encaminhados para um sítio próximo ao local onde recebem tratamento, alimento, água, direito ao descanso e todo suporte Médico Veterinário necessário.

Os animais que não encontrarem seus donos serão encaminhados para adoção.

Por mais que a política seja muito falha, que absurdos aconteçam nesse cenário brasileiro, foi emocionante ver a mobilização do país inteiro para ajudar os habitantes da pequena Brumadinho.

Fica a pergunta: quantas pessoas precisarão morrer, quantos animais ainda vão sofrer para que algo seja feito? Vamos unir forças e exigir dos nossos representantes no governo medidas imediatas para que a nossa Minas Gerais não enterre mais filhos em catástrofes como essa.

*Aline Ambrogi é médica veterinária e fundadora da ONG Carol Sanches.

Publicidade