Publicidade
Davison Advogado

O prefeito Sérgio Azevedo anunciou, na manhã desta quarta-feira (7), a construção de 390 unidades habitacionais pelo Projeto Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal. Serão beneficiadas famílias da faixa 1, com renda de até R$1.800,00.

As novas unidades serão construídas no Bairro Parque Esperança 3. As famílias pagarão uma prestação que varia de R$ 80 a R$ 270, conforme a renda familiar. De acordo com o gerente regional da Caixa Econômica Federal, Jumar Gonçalves Neves,  serão investidos, sem contar a doação do terreno por parte da prefeitura, quase R$ 30 milhões na construção de  606 novas moradias, já que no final do ano passado a prefeitura anunciou também a construção de 246 apartamentos no bairro Jardim Itamaraty. O gerente explicou ainda que, nessa fase, foram selecionadas 11 propostas de municípios da região, mas Poços foi a única cidade a conseguir efetivar a contratação.

Anúncio aconteceu em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (7)

“Esse é um programa do governo federal, mas o prazo para aprovação dos projetos foi muito curto, o prazo que normalmente era de 180 dias, foi reduzido para 90 dias. E vai atender um público que realmente necessita de um apoio, nesse caso tem a doação do terreno por parte da prefeitura, para que se encaixe no programa, então serão mais 390 famílias beneficiadas.”

A construtora responsável é a BM Engenharia. O chefe do Executivo destacou a importância do investimento, que juntamente com as outras 246 unidades, vai atender mais de 600 famílias. “As outras 246 unidades já estão em construção e hoje nós anunciamos mais 390, que sobretudo vai atender quase 10% da nossa fila de espera do plano de habitação. E não vamos parar por aí, tem outros investimentos já prestes a sair.”

A secretária de Promoção Social, Luzia Teixeira Martins, citou que hoje são quase sete mil famílias inscritas no programa de habitação do município. Os novos empreendimentos devem atender os inscritos em 1990 e 1995. Com a lista, a secretaria atualiza os cadastros e verifica a necessidade de cada família, já que são mais de 20 anos de espera.  A partir daí é feita a visita técnica para verificar se ela se encaixa no perfil, de acordo com a lei. “Quem se encaixa nas inscrições de 1990 e 1995 pode se dirigir ao nosso setor de habitação, hoje ele funciona na COHAB, o SOS Construção, aí ele vai fazer a atualização deste cadastro. E eu aproveito pra esclarecer que não estamos divulgando nenhuma lista, saiu uma lista de pessoas que seriam contempladas, não é verdade, mas a pessoa pode ir lá no setor de habitação e tirar todas as dúvidas”, finalizou.