Publicidade
Davison Advogado

O pré-candidato ao governo de Minas Gerais,pelo Partido Novo, Romeu Zema Neto, esteve em Poços de Caldas nesta quarta-feira (24), para um encontro  com apoiadores e demais interessados, e também para apresentação do partido. A reportagem do Poços Já Política se encontrou com Neto, que falou sobre sua trajetória, objetivos e desafios.

Neto é natural de Araxá, tem 53 anos e começou cedo a trabalhar na empresa da família. Formado em administração de empresas, nunca exerceu nenhum cargo político e, segundo ele mesmo relata, uma série de coincidências o levou a aceitar o convite para ser pré-candidato a governador do estado. Uma delas foi o fato  de ter se afastado da presidência da empresa há um ano e meio, o que o deixou com a agenda mais disponível.  “ A princípio eu não aceitei, mas depois aquilo ficou me incomodando, eu sempre fiquei distante da política e percebi que tinha sido omisso, então eu tinha uma dívida”, afirma.

O pré-candidato explica ainda que algumas características apresentadas pelo partido Novo chamaram sua atenção. A exigência de ficha limpa para candidatos e filiados, processo seletivo para candidatos e o fato de ser um partido contrário ao foro privilegiado e ao fundo de financiamento de campanhas políticas foram alguns pontos levantados por ele durante a entrevista. Além disso, Neto acredita que o partido não tem vínculo com a “velha política” e que prega a renovação, já que é vetado ao filiado eleito se candidatar a mais de uma reeleição consecutiva para o mesmo cargo.

Sobre ser um rosto pouco conhecido e ter se filiado a um partido criado recentemente, Neto acredita que até existam muitas desvantagens, mas aponta que seu nível de rejeição tende a ser mais baixo por não ter um passado político e que sua experiência e trajetória como empresário podem ajudá-lo na empreitada.

Romeu Zema Neto é o pré-candidato ao governo de Minas pelo partido Novo (foto: divulgação)

Ao ser questionado sobre o que aprendeu na iniciativa privada que poderia auxiliá-lo na vida pública, o pré-candidato tem uma lista. “Sinceridade, transparência, visão de longo prazo e controle de contas. Tem que ter uma transparência, uma agenda só, ter objetivos de longo prazo, na iniciativa privada a gente sempre olha vários anos na frente. E o mais importante de tudo, ter a receita maior do que a despesa. Uma empresa onde a despesa é maior do que a receita, ela está com os dias contados. E o poder público tem operado desse jeito há anos e jogado a carga dessa responsabilidade nas costas da população. No poder público tem que ter aquilo que chamamos de responsabilidade”, enfatiza.

Neto programa visitar pelo menos 500 municípios mineiros durante pré-campanha e campanha. O objetivo do candidato é fazer desses momentos uma forma de evidenciar o seu jeito de fazer política. “Quero fazer a campanha sem jato nem helicóptero, uma campanha mais eficiente e sem muitos custos, já para mostrar nesse momento o que seria um exemplo de governo,” pontua.

Sobre o Partido Novo

O Partido Novo foi fundado em 2011 e teve seu registro de fundação aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2015.  Defende, entre outros pontos, “o livre mercado, redução das áreas de atuação do Estado,  diminuição da carga tributária e preservação das liberdades individuais e da propriedade privada”.

Concorreu em sua primeira eleição em 2016, com candidatos em cinco capitais. Este ano disputa a presidência da república, os governos de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, além de cargos para deputados federais e senadores em 18 estados e no Distrito Federal.