Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Carlos e Marcos participaram hoje de acareação.
Carlos e Marcos participaram hoje de acareação.

A Polícia Civil de Poços de Caldas concluiu nesta segunda-feira (29) o inquérito que investiga a morte de Aline Rosa da Silva, de 30 anos, e da filha dela, de três anos. Marcos Francisco Pedrilho, que confessou o assassinato, e Carlos Henrique Ramos, que teria instigado o crime, foram indiciados por duplo feminicídio.

 

Uma acareação entre os dois foi realizada na manhã de hoje e durou cerca de uma hora. Segundo a Polícia Civil, ambos estavam calmos durante todo o tempo e não houve confrontos diretos.

Carlos, que é pai de santo e era padrasto da vítima Aline, foi indiciado porque teria incentivado a morte das duas devido a um relacionamento amoroso com Marcos. “Como a gente pode tirar de trechos de declarações do Marcos Francisco, nas oportunidades em que conversaram sobre as mortes das duas, ele (Carlos) insistia para que andasse logo com esse procedimento para que eles pudessem viver o romance de forma tranquila”, informou o delegado Cleyson Brene.

Há sinais de utilização de magia negra na execução, principalmente o fato de os corpos estarem com panos nas bocas. Em depoimento, Marcos disse que isso impediria os espíritos de irem embora. Mas não há indícios de que o pai de santo teria alguma influência quanto à magia negra.

O delegado Cleyson Brene deixou claro que as religiões de ambos não são citadas no relatório final. “Em relação à religião, em momento algum a investigação se dedicou a esse tema. Tanto a umbanda quanto o candomblé são religiões derivadas do espiritismo e ambas pregam a caridade”, disse.