Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Prefeitura de Poços de Caldas
Publicidade
Entrevista coletiva foi realizada na tarde desta terça-feira (11).
Entrevista coletiva foi realizada na tarde desta terça-feira (11).

A Polícia Civil apresentou, na tarde desta terça-feira (11), o resultado das investigações a respeito do desaparecimento da funcionária pública Andrea Araújo de Almeida. Cinco pessoas estão presas. Entre elas, o ex-companheiro de Andrea, João Batista dos Reis, 54, conhecido como ‘João do Papelão’. Ele teria mandado matar a mulher, devido ao pagamento de pensão alimentícia e à partilha de bens proposta pelo advogado da vítima.

Andrea pedia na justiça R$5 milhões em bens e R$10 mil por mês de pensão alimentícia. Segundo a Polícia Civil, João do Papelão contratou Ednilson Martins de Souza, o ‘Paulista’, para que matasse Andrea. Porém, Paulista está preso desde o ano passado por tráfico de drogas. Ele teria contratado dois capangas por meio da esposa, Liliane Gonçalves da Silva.

Assim como João e Liliane, os dois capangas também foram presos no dia sete de fevereiro. Eles foram identificados como Luciano Monteiro Santos, vulgo ‘Galego’, e Márcio da Silva Santos, conhecido como ‘Negão’. A dupla saiu da cidade baiana de Cândido Sales para efetuar o crime em Poços de Caldas. Cada um disse ter recebido R$25 mil pelo homicídio.

O crime

Galego e Negão confessaram o crime durante os interrogatórios. Eles foram presos em Cândido Sales (BA). As prisões temporárias foram prorrogadas  para que o inquérito seja concluído.

A dupla auxiliou a polícia na reconstituição do crime, realizada na segunda-feira (10). Segundo a Polícia Civil, os executores se hospedaram em um hotel do centro da cidade. Eles saíram em um carro, marca Gol, e se posicionaram em frente à Autarquia Municipal de Ensino, onde Andrea trabalhava. Um vídeo montado com imagens de câmeras de segurança mostra que Andrea sai do trabalho, conversando no celular, e entra no carro. Ela sai e é seguida pelo veículo dos assassinos.

Veja o vídeo:

Liliane, Negão, Paulista, João do Papelão e Galego foram presos pela Polícia Civil.
Liliane, Negão, Paulista, João do Papelão e Galego foram presos pela Polícia Civil.

Os criminosos seguiram a vítima até o bairro Quisisana, onde fecharam o carro e anunciaram o sequestro. Andrea foi levada para o Gol, que seguiu em direção a Palmeiral, distrito de Botelhos. Durante o trajeto, Negão jogou alguns objetos pessoas da vítima na pista. O primeiro foi o aparelho celular, na Fazenda Manacá. Cerca de um quilômetro depois, a dupla também se desfez da bolsa.

Após percorrer mais dois quilômetros, os assassinos decidiram executar o crime em um cafezal. Eles contaram à polícia que disseram para Andrea se ajoelhar, de costas, e que Negão atirou no crânio da funcionária pública. A ossada foi descoberta no dia 23 de janeiro. O material está passando por um exame de DNA.

Após executarem o crime, os dois voltaram para o hotel. No dia seguinte, viajaram para a Bahia. As despesas das viagem foram pagas por João, no valor de R$1,4 mil.

João do Papelão é considerado o mandante do crime.
João do Papelão é considerado o mandante do crime.

Os criminosos

O empresário João do Papelão teria prometido ainda um terreno ou pagamento em dinheiro ao Paulista, mas a polícia não soube informar o valor exato. Paulista assumiu que conhecia o mandante do crime. “Desde quando eu catava sucata, 12 anos atrás”, disse. Paulista possui prisões anteriores por tráfico de drogas e é suspeito de ter cometido um homicídio no Distrito Federal.

Galego é natural de São Caetano do Sul (SP) e já havia sido preso por roubo. Porém, fugiu após ser beneficiado com uma saída temporária. Ele ainda é acusado de utilizar documentos falsos. Negão é natural de Vitória da Conquista (BA) e é suspeito de ter cometido vários homicídios, além de furtos a caixas eletrônicos e tráfico de drogas.

Liliane não tem passagens pela polícia. Ela conheceu João do Papelão quando trabalhava na casa dele como diarista. Os cinco serão indiciados por homicídio qualificado e sequestro.