domingo , 25 Fevereiro 2018
Últimas Notícias
Ofertas SuperVale

Criança estava viva quando órgãos foram retirados, segundo juiz do Caso Pavesi.


Juiz Narciso Alvarenga recebeu novas denúncias do Ministério Público
Juiz Narciso Alvarenga recebeu novas denúncias do Ministério Público

O juiz responsável pelo Caso Pavesi, Narciso Alvarenga, explicou à imprensa os motivos que levaram à prisão dos médicos urologistas Celso Scafi e Cláudio Fernandes. Segundo o juiz, os laudos comprovam que o menino Paulo Veronesi Pavesi estava vivo quando teve os rins e córneas retirados, no ano 2000.

A sentença de 18 anos de prisão para Celso e 17 anos para Cláudio foi baseada no atendimento recebido pela vítima nos hospitais Pedro Sanches e Santa Casa, após cair de uma altura de dez metros. De acordo com as normas do Conselho Federal de Medicina, os médicos deveriam ter feito um exame clínico e outro de arteriografia para comprovar a morte cerebral. Porém, o exame clínico foi realizado com o paciente dopado, o que invalida o resultado.

Além disso, a arteriografia apresentada pela Santa Casa demonstra que havia circulação no cérebro do menino. Também foi decretada a prisão de Sérgio Poli, médico responsável pelo exame. Ele foi condenado a 14 anos e está foragido. O médico teria escrito, no laudo, que Paulo estava “Sem ME” (morte encefálica), mas durante o processo alegou que na verdade se tratava de “em ME” ou “com ME”. De acordo com o juiz, a constatação de que não havia morte encefálica é perfeitamente legível no documento.

Narciso ainda disse que os réus tinham plena consciência de que estavam retirando órgãos de uma criança viva. Ele não quis gravar entrevista devido à orientação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Médicos foram presos na noite de quinta-feira (6).
Médicos foram presos na noite de quinta-feira (6).

Outros casos

Além da morte do menino de dez anos, há oito casos da chamada “Máfia dos Transplantes” sendo investigados. O Ministério Público enviou hoje ao Fórum dois desses casos, com o indiciamento de outros médicos. Entre eles, estão o ex-secretário municipal de saúde Júlio Balducci e o presidente da Associação dos Médicos de Poços de Caldas, Paulo Negrão.

A conexão entre os casos foi citada na sentença. O juiz ainda pede ao Tribunal de Justiça que tome providências em relação aos indícios de atividades ilícitas do deputado estadual Carlos Mosconi (PSDB). Ele seria o criador da MG-Sul Transplantes, responsável pelos procedimentos.

Em fevereiro do ano passado, já haviam sido condenados os médicos Celso Scafi, Cláudio Fernandes, João Brandão e Alexandre Zincone. Eles responderam pela morte do pedreiro José Domingos de Carvalho, em 2001, na Santa Casa.

App Poços Já
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.